ASPMX.L.GOOGLE.COM

Site Information

Almir Sater - O Violeiro Canta

$32.90
SKU:
0190296998799
Quantity:

Product Description

Nascido em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, foi o choque com a grande cidade, quando estudou Direito no Rio de Janeiro, que converteu Almir Sater à música. Primeiro a viola dos cantadores nordestinos da praça próxima. E depois, de volta a atmosfera doméstica, o encanto pela viola caipira centro sulista, imantado por dois ases mineiros do instrumento, Renato Andrade (1932-2005), que o cativou pela técnica e Tião Carreiro (1934-1993), pela emoção. Formou uma dupla sertaneja (Lupe e Lampião), tocou com Diana Pequeno, Tetê Espíndola e o Lírio Selvagem, e ingressou no grupo Vozes & Violas, antes desembocar na estreia solo, na Continental, em 1981. No disco, que levou seu nome, ele pôs a prova o que aprendeu: na instrumental autoral "No quintal de casa", terça violas com o ícone Tião Carreiro.

Também participam do vocal de algumas das dez faixas do LP inicial, todas incluídas nesta coletânea, Tetê e sua irmã Alzira Espíndola. E esta dialoga com Almir no chamamé ¿Semente¿ (parceria com Paulo Simões), bordado por harpa: "tão seguro quanto o ar/ ser mais quente no verão/ da semente sai futuro". Acompanhado por um enxuto grupo instrumental (violões, Carlão de Souza, Papete, bateria e percussão, Capenga, baixo), Sater trafega por temas bucólicos,como ¿Canta viola¿, "Flor do amor" e mais "O carrapicho e a pimenta", "Bicho preguiça", "Luz da fé" (as três últimas com Paulo Klein). Mas também articula seu projeto pessoal de redefinir o papel da viola, "de regional para universal". Como no country folk rock "!Estradeiro", escrito com Klein: "não sou louco poeta/nem sou profeta ou monge/ mas viajar, viajei".

No incandescente repertório ainda contrastam o pioneiro hino caipira "Tristeza do jeca" ("eu sou como um sabiá/ quando canta é só tristeza/ desde o galho onde ele está"), de Angelino de Oliveira, de 1924, e a modernista "Cruzada", de 1978, dos sócios do Clube da Esquina, Tavinho Moura e Márcio Borges: "Não quero mais ter sangue morto nas veias/ quero abrigo do seu abraço que me incendeia". Consolidada, a dupla autoral Sater e Teixeira assina ainda a retirante "Canoa", a inconformista "Índios adeus" e lapida sua obra prima, "Um violeiro toca", na voz sempre cálida e envolvente do solista: "tudo é sertão, tudo é paixão/ se um violeiro toca/ a viola, o violeiro e o amor se tocam". A música teria projeção nacional a partir da novela "Pantanal", da extinta TV Manchete, de estrondosa audiência no ano seguinte. E motivaria a coletânea "Almir Sater no Pantanal" (1980), que incluía a regravação, também consagrada, de "Chalana" (Mario Zan/ Arlindo Pinto), de 1952. A viola vivia seu grande momento e Almir é o protagonista desta epifania. (Tárik de Souza)

Product Reviews

Write Review

This product hasn't received any reviews yet. Be the first to review this product!

Find Similar Products by Category



Click the button below to add the Almir Sater - O Violeiro Canta to your wish list.